Plantas de Cobertura

Publicado em 21/05/2020

O uso intensivo do solo promovido pela agricultura pode promover a deterioração do mesmo, por isso o uso das plantas de cobertura pode ser uma solução viável para a produtividade da lavoura.

Ainda mais, o revolvimento provocado pelas mobilizações de máquinas, como a gradagem ou a subsolagem, também propicia o rompimento dos agregados do solo, afetando negativamente sua estrutura, além de remover a cobertura vegetal, aumentando a exposição do solo aos impactos da chuva e facilitando a erosão hídrica e eólica.

O rompimento desses agregados causa perdas irreversíveis de solo, danos ambientais e grande prejuízo para o agricultor, pois não existem técnicas para recuperar o solo perdido pela erosão e o processo de formação de solo leva milhares ou até milhões de anos.

Planta de Cobertura na Cana

Como reduzir a perda de solo e diminuir seus impactos negativos?

O sistema de plantio direto (SPD) ou sistema de semeadura direto (SSD) é uma técnica de manejo conservacionista que preconiza a manutenção da cobertura vegetal, o não revolvimento do solo e a rotação de culturas.

As primeiras iniciativas de implantação do SSD no Brasil ocorreram no Paraná na década de 70, com o objetivo de minimizar os efeitos da erosão do solo.

O SSD constitui-se em uma importante ação para manter a sustentabilidade ambiental.

Porém apenas a rotação de culturas, como soja e milho, não é suficiente para manter um bom aporte de material vegetal no solo em boa parte do Brasil.

Devido aos fatores climáticos, a decomposição da palhada ocorre de maneira acelerada.

Por isso a utilização de plantas de cobertura é uma boa opção para manter a sustentabilidade do sistema.

As plantas de cobertura podem ser utilizadas em sistemas de rotação ou em consórcio com a cultura de interesse comercial.

As principais características que as plantas de cobertura devem possuir são:

  • Capacidade de produção de grande quantidade de matéria seca;
  • Resistência a seca;
  • Não apresentar problemas de infestação as áreas agrícolas;
  • Não ser abrigo de pragas ou doenças;
  • Apresentar sistema radicular agressivo e profundo e facilidade de manejo.

 

Por que utilizar plantas de cobertura?

Existem diversos benefícios voltados a qualidade do solo que as plantas de cobertura podem proporcionar.

Seu sistema radicular melhora a agregação do solo, por fornecer matéria orgânica na camada de 0-10 cm de profundidade, melhorando substancialmente a estruturação do solo, favorecendo o crescimento radicular das culturas de interesse.

Além disso, algumas espécies, como o nabo forrageiro e o feijão guandu, são utilizadas para descompactar o solo sem a necessidade do uso de máquinas.

As raízes das plantas de cobertura podem formar canais contínuos por meio dos quais o sistema radicular de outras culturas cultivadas em sucessão (mais susceptíveis a compactação do solo) pode crescer.

Dessa forma, proporciona a absorção de água e nutrientes em camadas subsuperficiais (abaixo de 20 cm).

Como comentado anteriormente, a agregação do solo é favorecida graças às plantas de cobertura.

Os agregados são a junção de plantas, fungos, microagregados de silte, microestruturas de argila, partículas de matéria orgânica e hifas micorrízicas.

Boa agregação garante boa estruturação, resultando em diversos benefícios para o solo, principalmente a boa infiltração.

Diferenças de Solo
Solo desestruturado (esquerda) e solo bem estruturado (direita).

Outro benefício é a ciclagem de nutrientes, o aporte vegetal conferido por esse sistema auxilia na manutenção de uma camada superficial rica em fósforo, além de promover a reciclagem do mesmo, proveniente da mineralização da matéria orgânica.

É conveniente lembrar que com o aumento do teor de matéria orgânica do solo, o processo de adsorção do fósforo diminui, aumentando sua disponibilidade para as plantas.

O potássio é um nutriente que não forma ligações com compostos orgânicos no metabolismo vegetal, por isso ele sofre uma reciclagem rápida e estará prontamente disponível para a cultura de interesse econômico.

Algumas espécies com sistema radicular profundo, como as gramíneas (em especial a braquiária), são eficientes em recuperar parte do potássio lixiviado, tornando-o disponível após a dessecação da cobertura.

As espécies leguminosas utilizadas no sistema, como a crotalária, fornecem nitrogênio para o solo com a fixação biológica do nitrogênio e sua palhada apresenta uma baixa relação C/N, possuindo elevador teor de nitrogênio.

Crotalária, ervilhaca e estilosantes são espécies que aportam grandes quantidades de nitrogênio no solo.

O ambiente criado pelas plantas de cobertura favorece a microbiota presente no solo.

Fungos, bactérias, enzimas entre outras, tem um papel importante no sistema produtivo, pois atuam na mineralização de nutrientes, no ciclo de nitrogênio, na nitrificação e formam associações micorrízicas com as raízes, auxiliando na absorção de fósforo.

Basicamente, as plantas de cobertura contribuem para a melhoria dos atributos físicos, químicos e biológicos do solo, fazendo com que o solo continue com sua capacidade de produzir durante o tempo.

 

Outros benefícios

As plantas de cobertura são importantes aliadas no controle de plantas daninhas, graças ao efeito alopático na germinação de sementes de plantas invasoras e a cobertura proporcionada pelas plantas de cobertura.

Assim, se constitui uma barreira física que limita a presença de luz, o que impede a emergência de algumas plantas daninhas, inclusive de difícil controle, como a Buva.

Algumas espécies, exemplo da crotalária, auxiliam no manejo dos principais nematoides que causam danos econômicos às espécies cultivadas para produção de grãos e fibras.

Além disso, são ferramentas para o controle de pragas e doenças (quebra no ciclo de pragas), como a braquiária que atua no controle do mofo branco.

Como as plantas de cobertura diminuem drasticamente o efeito da erosão, elas também auxiliam no combate ao efeito estufa, já que impedem que o carbono presente no solo se perca na forma de CO₂.

E também auxiliam no sequestro do CO₂, incorporando-o ao solo na forma de carbono orgânico.

Planta de Cobertura na Soja

Algumas limitações

A baixa disponibilidade hídrica no período de entressafra, principalmente na região centro-oeste, é uma limitação para a utilização de algumas plantas de cobertura, principalmente se forem semeadas após a colheita da safrinha.

A falta de retorno econômico direto com a implantação das plantas de cobertura não é atrativo para alguns produtores, já que na maioria das vezes as plantas serão utilizadas principalmente para produzir cobertura vegetal para o sistema de semeadura direta.

Além disso, outros gastos também são levados em conta como o custo das sementes, custo da hora/máquina, combustíveis para o maquinário, custo da mão-de-obra e outros.

Porém, algumas espécies podem contornar esses dois problemas, caso do sorgo e o milheto, que apresentam boa tolerância à seca e podem ser utilizados para o pastejo de animais.

 

Manejo das plantas de cobertura

Algumas plantas de cobertura podem ser utilizadas em consórcio com o milho safrinha, como a crotalária ou a braquiária, manejo utilizado em sistemas de integração-lavoura-pecuária.

Na região sul do país, onde mesmo durante o inverno ocorrem chuvas, as plantas de cobertura podem ser utilizadas após a colheita da safrinha, porém é necessário o uso de plantas que são adaptadas ao frio, como a aveia-preta.

O consórcio entre duas espécies diferentes é uma boa opção para trazer mais benefícios ao solo, como uma leguminosa consorciada com uma gramínea.

Uma maneira de contornar a falta de retorno econômico imediato é através do planejamento dos talhões.

O produtor pode optar por escolher 1 ou 2 talhões por safra que serão semeados com plantas de cobertura e fazer uma rotação de seus talhões nos outros anos.

Para isso é importante que o produtor faça um bom gerenciamento da sua propriedade, o software CHBAGRO ajuda o produtor a fazer uma boa gestão e controlar os custos de cada talhão.

O momento ideal para dessecar as plantas de cobertura é quando elas atingem o estágio de máximo florescimento, devido ao maior acúmulo de fitomassa e nutrientes.

 

Conclusão

O uso de plantas de cobertura de solo, cultivadas solteiras ou consorciadas trazem inúmeros benefícios ao sistema produtivo.

Podemos citar como exemplos a ciclagem de nutrientes, quebra do ciclo de pragas e doenças, melhoria da estrutura física do solo, controle de plantas daninhas e o aumento do teor de matéria orgânica do solo.

Esses benefícios resultam em incremento na produtividade, fazendo com que o sistema de semeadura direta se intensifique.

Além disso constituem uma importante técnica de manejo para reduzir o impacto ambiental causado pela agricultura.

Algumas opções de espécies vegetais para utilização como plantas de cobertura e suas características estão listadas na tabela abaixo:

Exemplo de Plantas de Cobertura

---

Saiba mais sobre o único Software Agrícola completo do Brasil!

Fale com analista CHBAGRO

CHBAGRO já atende 600 fazendas em todo país.

Se preferir, envie um e-mail para contato@chbagro.com.br ou ligue 16) 3713.0200.

 

Fábio Barros
Fábio Barros
Sou Engenheiro Agrônomo pela UNESP (FCA-Botucatu).
Linkedin

Artigos Relacionados

VOLTAR

Ao clicar no botão “aceito”, o titular dos dados dará permissão para a captação e tratamento de seus dados para que o controlador dos dados os utilize de maneira a atingir suas pretensões pessoais, balizadas pela lei 13.709/18. Cumpre informar que ao clicar em “aceito” o titular dos dados concorda integralmente com a política de privacidade da empresa, disponível em: Política de Privacidade.