Pulgão nas culturas agrícolas e o seu manejo

Publicado em 22/02/2021

Existem muitos insetos encontrados no mundo e vários podem interferir nas culturas agrícolas. Um desses insetos que merece a atenção é o pulgão, que pode afetar as plantas pela sucção de seiva, inoculação de toxinas ou na transmissão de vírus, podendo reduzir a produtividade das plantas e, consequentemente, o lucro na sua lavoura.

Por isso, preparamos este texto para te ajudar com o manejo desse inseto.


Índice de Conteúdo (clique e vá direto ao assunto que procura)


Afinal, o que é o pulgão?

Pulgões ou afídeos (ordem Hemiptera) são insetos sugadores que podem medir cerca de 1 a 6 mm e apresentam corpo mole.

Esses insetos vivem em colônia, principalmente em regiões de crescimento vegetal como as brotações e folhas novas nas plantas. E há várias espécies de pulgões que podem atacar diversas culturas agrícolas.

Manejo do Pulgão

Os pulgões podem prejudicar as plantas pela sucção de seiva, inoculação de toxinas e transmissão de viroses para espécies de plantas agrícolas e ornamentais.

E isso pode trazer sérios prejuízos para o agricultor, pois pode retardar o desenvolvimento da planta, transmitir doenças e até causar a morte das plantas, por isso, essa praga merece muita atenção.

Como os pulgões podem sugar a seiva continuamente das plantas, corre-se o risco de ocasionar o amarelecimento das plantas ou parte delas, encurtamento da folha, enrugamento, deformação, definhamento e o enfraquecimento das plantas.

Os danos podem inviabilizar a planta, causar a morte da mesma dependendo do estágio de seu desenvolvimento e inviabilizar a comercialização do fruto dependendo da cultura atacada.

Com a sucção da seiva da planta, os pulgões acabam liberando uma substância açucarada chamada de honeydew. A fumagina, que é um fungo, cresce sobre esta substância, cobre toda a folha e diminui a capacidade de fotossíntese.

Existem muitas espécies de pulgões, que podem ter cores variadas. Os adultos geralmente não provem de asas (ápteros), porém, em algumas condições eles possuem asas (alados).

Agora que conhecemos mais sobre os pulgões, vamos ver as principais estratégias de manejo.

 

Manejo dos pulgões na agricultura

Não devemos focar em apenas uma estratégia de manejo para o controle de qualquer praga na agricultura e isso não é diferente para os pulgões. É importante conhecer todas as estratégias de manejo e tentar utilizar o máximo dessas estratégias na sua propriedade.

Ou seja, é importante utilizarmos o MIP (Manejo Integrado de Pragas), que é o uso de todas as medidas de manejo para manter a praga abaixo de nível de dano econômico, por isso, não utilize apenas uma medida de controle.

Para te ajudar no manejo do pulgão nas culturas agrícolas, separamos algumas estratégias de manejo:

  • Manter as áreas livres de plantas daninhas que podem servir de hospedeira para o pulgão;
  • Em plantios protegidos, evitar a entrada das formas aladas e das não aladas através das mudas;
  • Controle biológico (parasitoide);
  • Controle químico;
  • Eliminação de restos culturais;
  • Monitoramento da lavoura para a observação da ocorrência de pragas, neste caso o pulgão.

Lembrando que para o uso de inseticidas (controle químico) para o manejo dos pulgões, verifique quais os produtos são registrados para a cultura e para a praga no Agrofit.

E não podemos esquecer dos inimigos naturais, que são insetos que se alimentam ou vivem as custas de outros insetos que causam prejuízos às plantas e que podem ajudar no controle.

Vamos ver um exemplo de inimigo natural para os pulgões:

Inimigo Natural do Pulgão
Fonte: Adaptado de Emater.

Para te auxiliar com as recomendações para o manejo do pulgão para a sua propriedade consulte um(a) engenheiro(a) agrônomo(a).

Agora que conhecemos sobre os pulgões e as medidas de manejo, veja alguns exemplos de doenças que são transmitidas pelos pulgões.

 

Pulgões como vetores de doença de plantas

Falamos que o pulgão pode transmitir alguns vírus, ou seja, é vetor de várias viroses importantes na agricultura.

Para exemplificar isso, vamos discutir sobre o Mosaico do Mamoeiro (Papaya ringspot virus - PRSV), uma doença que é transmitida por pulgão.

Essa doença pode afetar toda a plantação em um período menor que um ano, caso nenhuma ação for realizada.

Os sintomas da doença são muito destrutivos. Nas folhas observa-se mosaico, clorose e deformações e nos frutos podem ocorrer manchas anelares e saliências.

Mosaico do Mamoeiro
Fonte: APS

A doença se propaga da seguinte forma, um pulgão se alimenta de uma planta com o vírus do mosaico do mamoeiro de forma rápida (cerca de 15 segundos).

Ele realiza essa alimentação rápida para a procura do seu hospedeiro, que é chamado de picadas de prova nas plantas de mamão, para identificar se aquela planta é da sua gama de alimentação.

E depois ele realiza uma outra alimentação por picada de prova em uma planta sadia, então, ocorre a transmissão do vírus.

Porém, após algumas picadas de prova, o vírus se esgota do vetor e, para adquiri-lo novamente, o pulgão precisa realizar novas picada de prova em plantas com o vírus do mosaico do mamoeiro.

Esse tipo transmissão é chamada de não-persistente, o vetor adquire o vírus rapidamente e a sua retenção no pulgão também é curta.

Um importante comentário é que para esse tipo de transmissão a planta não precisa ser hospedeira desse tipo de vetor para a transmissão de vírus.

Além dessa transmissão, há outros tipos semi-persistente e persistente em que o pulgão também pode ser o vetor de várias viroses.

Veja a diferença dos modos de transmissões do vírus pelo pulgão e as características de cada uma:

Mecanismos de Transmissão do Pulgão
Fonte: Adaptado de Armando Bergamin em Researchgate.

Sendo:

  • NP: Não persistente;
  • SP: Semi-persistente;
  • CP: Persistente circultivo;
  • PP: Persistente propagativo;
  • A aquisição é o período que o vetor demora para adquirir o vírus;
  • Inoculação é o tempo para inocular para a planta sadia;
  • Latência é o período em que o vetor adquire o vírus em uma planta infectada até ficar apto a ser transmitido para um planta sadia;
  • Retenção é por quanto tempo o vírus fica retido no vetor.

Outros exemplos de doenças que são transmitidas por pulgões:

- Tristeza dos citros;

- Mosaico comum do milho;

- Mosaico das nervuras do algodoeiro;

- Nanismo amarelo;

- E muitas outras.

Além dos pulgões vetores de doenças, há pulgões que afetam as plantas pela sucção de seiva ou pela ingestão de toxinas.

 

Alguns tipos de pulgões que afetam as culturas agrícolas

  • Pulgão no citrus

O Fundecitrus registra dois tipos de pulgões importantes para o citrus: Pulgão verde (Aphis spiraecola) e Pulgão preto (Toxoptera citricidus), que atacam principalmente as plantas jovens.

Pulgão Verde e Pulgão Preto
Fonte: Fundecitrus
  • Pulgão verde claro (Myzus persicae)

Essa espécie de pulgão afeta muitas culturas como couve, pimenta, berinjela, brócolis, repolho, alface, pêssego e muitas outras.

  • Pulgão-verde-dos-cereais (Schizaphis graminum);
  • Pulgão-do-milho (Rhopalosiphum maidis);
  • Pulgão do quiabo e do algodoeiro (Aphis gossypii).

Existem muitas espécies que afetam as culturas agrícolas, somente colocamos alguns exemplos.

 

Conclusão

Muitas pragas podem afetar as culturas, como os pulgões que se alimentam da seiva da planta, injetam toxinas e podem ser vetores de doenças.

Por isso, neste texto discutimos sobre o que são os pulgões, medidas de manejo e comentamos sobre algumas espécies de pulgões que afetam as plantas.

Agora que você sabe sobre como manejar este inseto, não deixe que ele afete a produção da sua cultura.

 

---

Saiba mais sobre o único Software Agrícola completo do Brasil!

Fale com analista CHBAGRO

CHBAGRO já atende 600 fazendas em todo país.

Se preferir, envie um e-mail para contato@chbagro.com.br ou ligue 16) 3713.0200.

 

Gressa Chinelato
Gressa Chinelato
Sou Engenheira agrônoma, mestra em Ciências/Fitopatologia (Esalq/USP) e MBA em agronegócios. Atualmente, estou cursando Doutorado no departamento de Fitopatologia na Esalq e MBA em Gestão de Projetos.
Linkedin

Artigos Relacionados

VOLTAR

Ao clicar no botão “aceito”, o titular dos dados dará permissão para a captação e tratamento de seus dados para que o controlador dos dados os utilize de maneira a atingir suas pretensões pessoais, balizadas pela lei 13.709/18. Cumpre informar que ao clicar em “aceito” o titular dos dados concorda integralmente com a política de privacidade da empresa, disponível em: Política de Privacidade.